Poesia

Por Sil Borba, poeta

Eu sempre sangro e me rasgo, e sofro com o coração retalhado, mas com freqüência me refaço me recupero, me costuro a falsos pontos só para poder recomeçar…

Tenho lá as minhas dúvidas sobre a veracidade dos amores possíveis e prováveis, sem tropeços e limitações.

Aqueles amores de comercial de margarina ou de leite me deixam dúvidas…

Amor pra valer tem que ter desencontros, mas se provar mais fiel e firme.

Amor fácil não tem graça.

Amor é verso que precisa se perder nas entrelinhas para fazer rimar bonito.

E assim eu sigo oras desfigurada ora encantadora, mas sempre disposta a acreditar mais uma vez quando o amor me pede para voltar.

Comentários

comentários

This entry was posted in Colunas. Bookmark the permalink.